【うむ/うまれる】「産む/産まれる」「生む/生まれる」

Vamos a um par de verbos até bem simples hoje, mas que podem ser escritos com pelo menos dois 漢字. Trata-se dos verbos うむ e うまれる.

Os significados são bastante simples. Imagine um parto, um nascimento. A ação do bebê é うまれる (nascer), enquanto que a da mãe é うむ (parir, dar à luz). Simples de entender.

Esses verbos podem ainda ser utilizados com o sentido de “parir” outras coisas, ou seja, criar, construir (principalmente うむ). Pode-se dizer 製品をうむ (criar produtos) ou 卵をうむ (pôr ovos), por exemplo.

Tanto うむ quanto うまれる podem ser escritos com 産 ou 生. Em todos os casos, o 漢字 ocupa apenas o lugar do う, ficando portanto 産む/産まれる e 生む/生まれる.

Porém, é válido lembrar que, na maioria dos casos, うむ é escrito como 産む e うまれる é escrito como 生まれる. Isso não quer dizer que só essas formas estejam certas; é apenas a prática habitual dos japoneses. Existem maneiras de utilizar 生む e 産まれる.

Quando escrito com 産, o verbo 産む tem o sentido físico de produzir. É utilizado apenas com coisas materiais, como 子を産む (ter um filho) ou 卵を産む (pôr um ovo). Da mesma forma, 産まれる seria “nascer” ou “passar a existir” sob um ponto de vista bastante material, físico, concreto, até biológico.

Quando escritos com 生, os verbos passam a ter uma conotação mais geral, menos física. Assemelham-se à ideia de “vir a esse mundo” e está relacionado à dualidade vida-morte (死生). Assim, 生まれる significa “nascer”, no sentido de “passar a existir, vir ao mundo”, não dando ênfase ao fato de “sair do útero da mãe pelo canal vaginal” (ou por cesárea). Quando dizemos “nasci no dia TAL”, usamos quase sempre 生まれる, pois a ideia não está no ato biológico do nascimento, mas no fato de vir ao mundo. Semelhantemente, 生む seria “conceber, trazer à realidade, ao mundo”, sem ênfase na ação do parto em si, nas contrações, dores, etc.

Sei que a diferença pode parecer muito sutil e subjetiva, mas creio que esses dois exemplos abaixo ajudem a organizar as ideias:

母は一男一女を生みました。 (A mãe teve um menino e uma menina)

難産の末、女の子を産んだ。 (Ao fim do difícil parto, deu à luz uma menina)

No primeiro exemplo, o foco está no fato de que a mãe “criou” as duas crianças, gerou para o mundo, trouxe à vida. No segundo caso, うむ é de fato o parto, biologicamente falando (a palavra 難産「なんざん」 significa “parto difícil”).

Sim, sei que esse é um dos pares de 漢字 com nuance mais sutil e complexa que há. Portanto, aqui vão algumas dicas para orientar melhor o uso de cada um:

  • 産 é mais restrito (físico), 生 é mais geral; na dúvida, 生 tecnicamente nunca estará errado (mas pode parecer pouco adequado);
  • As pessoas no Japão muitas vezes usam um pelo outro indiscriminadamente, ou porque não sabem a diferença, ou porque acham que são a mesma coisa;
  • É muito comum, porém, que うむ seja escrito como 産む e うまれる como 生まれる;
  • Expressões como [LUGAR]うまれ (natural de [LUGAR]) são escritas com 生まれ.

Caso venha alguma outra grande dúvida, lembre-se: o ひらがな está sempre aí^^

【はたらく】VS【つとめる】VS【しごとする】

Vamos às diferenças entre esses três verbos, はたらく(働く), つとめる(勤める) e しごとする(仕事する). Todos eles significam “trabalhar”, mas os usos e as nuances são diferentes (como já era de se esperar).

O primeiro deles, はたらく, é um dos mais usados. Significa “trabalhar” no sentido mais amplo da palavra, independentemente de ser um emprego ou não. Pode ser usado inclusive para trabalhos “maus”, como roubar, por exemplo.

Sempre utilizamos a partícula で com esse verbo quando queremos dizer onde se trabalha:

銀行で 働いています。
Trabalho no banco.

Dizer “trabalho no banco” com はたらく pode ou não indicar pertencimento ao banco. Veja alguns outros exemplos que podem ser usados com esse verbo:

公僕として 働いています。
Trabalho como servidor público.

遅くまで 働きました。
Eu trabalhei até tarde.

O segundo verbo, つとめる, tem um uso ligeiramente mais formal, mas seu significado mesmo é mais relacionado a um trabalho firmado, estabelecido, tido como membro de um grupo. Sua partícula de lugar é sempre に, diferentemente de はたらく.

銀行に 勤める。
Trabalho no banco.
(talvez melhor traduzido como “Trabalho PARA o banco”)

Usar つとめる para dizer que “trabalha no banco” indica um certo pertencimento ao banco. Logo, o verbo つとめる não serve para qualquer “serviço” externo que se faça (um encanador que vai consertar um vazamento no banco não diz 銀行に 勤める). Se você trabalha como temporário num banco, por exemplo, pode-se dizer 銀行で 働く, mas não 銀行に 勤める。Não se pode também dizer ✖遅くまで 勤める, como se pode com 働く no exemplo já citado acima.

Já しごとする (ou しごとを する) pode ser usado sem indicar pertencimento, nem mesmo relação direta com o lugar onde se trabalha. Aqui sim o serviço de um encanador (配管工)feito num banco pode ser descrito com 銀行で 仕事する.

Atente para o fato de que つとめる é usado com に, enquanto que はたらく e しごとする usam で. Vejamos os três abaixo com suas partículas e nuances de tradução:

銀行で はたらく。
Trabalha no banco.
(não precisam ser assuntos bancários, não é necessariamente um funcionário fixo ou interno do banco)

銀行に つとめる。
Trabalho no banco. (ou melhor, PARA o banco)
(implica certo pertencimento ao banco, o funcionário faz parte integrante do grupo)

銀行で しごとする。
Trabalho no branco.
(pode ser um mero serviço temporário, talvez realizado uma única vez, mas também pode ser um funcionário efetivo; é um verbo bem genérico, não está focado na relação entre funcionário e lugar de trabalho, mas no serviço prestado em si)

Se você quer saber mais sobre o verbo つとめる, dê uma olhada nessa postagem.

【ある】「有る」「在る」「或る」

Essa postagem pode parecer bastante inútil, mas serve bem para aqueles curiosos (como eu) da língua.

Vimos nessa postagem a diferença entre os verbos いる e ある, ambos significando “existir”. Porém, o verbo ある pode ter outros significados, e os 漢字 mudam de acordo com esses significados. Ressalto, porém, que ある é SEMPRE escrito em ひらがな atualmente, mas você pode encontrar por aí na literatura, especialmente em poemas e em textos mais antigos (eu mesmo já vi um 或る num poema nem tão antigo assim).

Os três 漢字 que apresento aqui são 有る, 在る e 或る. Todos se leem ある, mas o terceiro não é exatamente uma mera variação dos outros dois. Vamos a cada um deles.

O verbo ある, quando significa “possuir, ter”, como em 財産がある (ter bens, propriedades) ou お金がある (ter dinheiro), é escrito como 有る.

Quando significa “existir”, ou seja, a versão de いる para nomes inanimados, é escrito como 在る. Exemplos: 山が在る (existe uma montanha), 日本に在る (está no Japão).

O terceiro exemplo está aqui de intrometido, pois não é exatamente como o verbo ある que conhecemos. Ele significa “um certo…”, e é sempre usado antes de um nome, como em 或るところ (certo lugar), 或る日 (certo dia). Existe ainda a remota possibilidade de a palavra inteira ser escrita apenas com 或, ou seja, sem o おくりがな no final.

Deixo claro novamente que TODOS ESSES ある são escritos em ひらがな. Alguns japoneses sequer sabem ler 或る, por exemplo (acreditem, eu já tentei usar numa conversa na internet e não foi muito eficaz). Coloquei todos aqui a título de curiosidade, para tirar possíveis dúvidas que venham a surgir.

【つとめる】「勤める」「務める」「努める」「勉める」

Vamos falar de mais uma diferença de 漢字 para uma mesma palavra! (sim, eles nunca acabam!) Desta vez, falaremos dos quatro principais 漢字 usados para a palavra つとめる.

A ideia mais geral do verbo つとめる é “esforçar-se, dar o melhor de si”. Porém, dependendo de cada 漢字 com que é escrito, esse significado pode se tornar muito mais específico e até parecer completamente diferente.

Primeiramente, a escrita 勤める significa “trabalhar”, geralmente para uma empresa. Algumas frases muito utilizadas com 勤める são 会社に勤める (trabalhar em uma empresa), e官庁に勤める (trabalhar numa repartição do governo), por exemplo.

A escrita 努める tem o sentido genérico de “esforçar-se, dispender energia em prol de algo”. Alguns exemplos são ダイエットに努める (fazer dieta, dedicar-se, esforçar-se em fazer a dieta), サービス向上に努める (esforçar-se para a melhoria do serviço).

Quanto a 勉める, ele é bem parecido com o anterior, 努める, mas é usado sempre no contexto do estudo. É “esforçar-se no estudo”, basicamente. Um exemplo de frase seria 試験のために 勉めています (estou me esforçando/estudando para a prova).

E por último temos 務める (cuidado com o 漢字, pois é fácil de confundir com o segundo 努める aí de cima), que também quer dizer “trabalhar”, mas num sentido menos ligado a empresas, mas sim ao cargo ou função que você exerce. Pense nesse 務める como “trabalhar na função de, no cargo de, com a responsabilidade de”, enquanto que o primeiro 勤める lá de cima seria mais como “trabalhar em prol de [uma empresa]”. A construção das frases também é diferente:

「FUNÇÃO」 を 務める

「EMPRESA」 に 勤める

Alguns exemplos para 務める: 劇の 主役を 務める (atuar como principal em uma peça), 議長を 務める (trabalhar como presidente/chefe).

Esses são os 漢字 básicos para つとめる. Desses, 勉める quase não é usado, pois está fora do 常用漢字, sendo normalmente substituído por 努める.

Se você está procurando a diferença entre つとめる e はたらく (e しごとする), veja essa postagem.

Singular VS Plural

(postagem grande, cheia de digressões e meio fervorosa em alguns aspectos)

Sim, vou falar disso. Singular e plural. É algo simples, mas muito mal interpretado por nós, falantes do português, essa língua tão cheia de flexões.

Se você está começando o estudo de japonês, talvez ainda não tenha notado esse detalhe curioso. Em japonês, não existe plural (caras de espanto). “Mas COMO?! Como pode uma língua não ter plural?!”

Antes de tudo, sempre que esse tipo de choque vier à sua cabeça (e, quando se estuda japonês, isso é mais frequente do que se imagina), lembre-se de que existe um país inteiro com mais de 120 milhões de habitantes que usam a língua diariamente para fazer de tudo, desde comprar sorvete até realizar cirurgias no cérebro. Tudo isso com uma língua que não tem plural.

Em segundo lugar, é comum achar que, só porque nossa língua tem certa característica, as outras devam ter. Singular e plural (um traço que chamamos de “Número”) não são características universais das línguas (sim, são bem comuns nas muitas que conhecemos, mas não em todas).

Se formos contar a quantidade de coisas que não temos em português e que parece ser essencial em outras línguas, teríamos um texto imenso só para isso. Falantes nativos de outras línguas, como algumas indígenas da Austrália ou o próprio Chinês, poderiam facilmente dizer para nós “Como vocês conseguem se comunicar com uma língua que não diferencia nós = ‘eu + você + outros’ de nós = ‘eu + outros, sem você’?” (acredite, ter essa diferença resolveria muitos problemas de comunicação das nossas vidas)

Enfim, estou divagando demais. A questão é: desconstrua o que você sabe do português e não queira aplicar o padrão dele a tudo. Não é assim que o mundo das línguas funciona.

Voltando ao caso dos Números. OK, temos singular e plural (algumas línguas têm o dual para “dois”, trial para “três”, paucal para “poucos” e ainda outros mais mirabolantes). O japonês não tem plural. Na verdade, ele sequer tem singular. Ele simplesmente não trata de Número como categoria gramatical. “MAS COMO ASSIM?!” (favor ler de novo tudo isso aí em cima, depois prosseguir^^)

Quando falamos “Eu dei um presente a ele”, imaginamos logo que é UM presente. Se fossem mais, diríamos “presentes”. Mas quando dizemos “O homem é um ser cruel”, pensamos em UM homem? Pensamos em “homens”? Eu prefiro pensar que pensamos na ideia de “homem”, independentemente de número, sem ser singular ou plural. Pensamos na ideia geral da palavra. Vamos a um exemplo mais abstrato: quando dizemos “Estou com sede”, essa sede é UMA sede? Está no singular, não é? Aliás, tem como contar sede?

Vamos agora observar essa frase em japonês:

はなを もらいました。

Ela poderia ser traduzida como “(eu) recebi flores”. Mas como saber se é “flor” ou “flores”? As pessoas geralmente explicam que, em cada frase do japonês, você deve descobrir se tal palavra está expressando singular ou plural. Isso é bobagem. Pense na frase e no contexto. Se for essencialmente importante saber se é uma única flor (一本の花) ou um buquê (花束), a pessoa vai falar. Se não, deixa o contexto levar a história adiante.

No começo é comum a gente querer se apegar aos falsos “sufixos de plural” que a língua tem. Estamos falando de ~たち e ~ら, reduplicações (repetir a palavra duas vezes, uma ao lado da outra, como em 人々、国々、山々, etc.) e alguns outros casos específicos (como 先生方). Desistam, eles não são de fato o nosso -s do plural. De fato, podem ajudar a expressar a ideia de quantidade, mas não é como no português onde somente há uma ideia genérica de “mais de um” (たち, por exemplo, implica um grupo a que o item está associado; se você fala いぬたち, não está falando simplesmente “cães”, mas algo como “cães entendidos como pertencentes a um determinado grupo”; é possível até usar たち para “pluralizar” nomes de pessoas, indicando algo como “fulano e as pessoas que, nesse contexto específico, estão associadas a ele”).

Cara, se você ainda está inconformado, desencana. Use a experiência da ausência do contraste singular-plural como uma forma de enriquecer sua forma de pensar. Evite fazer equivalentes do japonês com o português (ou outras línguas), porque isso mais atrapalha do que facilita (na verdade, passa a ser mais útil quando se está num nível bem mais avançado, mas no começo é bom evitar ao máximo). Abstraia seu bê-a-bá e tente sorver o japonês como uma tabula rasa, uma folha em branco. Desprenda-se, permita-se.

OBS1: Já ouvi dizerem (na minha frente!) que, por não ter plural, o japonês é uma língua primitiva e rudimentar. Aff, isso é muito eurocentrismo, etnocentrismo, preconceito. Japonês tem tantas outras coisas que faltam ao português, possui um vocabulário riquíssimo, permite nuances da fala e da escrita que precisariam de parágrafos de explicações a um leigo. Respeitemos a diversidade linguística. As línguas são belas porque são únicas!

OBS2: “Singular” se diz 単数(たんすう) e “plural” se diz 複数(ふくすう). “MAS VOCÊ ACABOU DE DIZER QUE NÃO TEM ISSO NO JAPONÊS!” Mas tem em outras línguas. Como um falante nativo de japonês explicaria o que é singular e plural, por exemplo, do inglês (que é tão estudado lá), aos demais, se essas palavras não existissem?

【~にくい】VS【~づらい】

Desde cedo, no japonês, aprendemos a palavra むずかしい「難しい」, que significa “difícil”. A partir daí, podemos expressar tantas coisas que sempre quisemos dizer, como 「日本語が難しいです」、「漢字が難しいです」 ou 「助詞が難しいです」.

Bom, quando vamos tratar de ações que são difíceis de fazer (ou seja, quando usamos verbos), as coisas mudam um pouco de estrutura. Não é difícil dizer que “algo é difícil”; basta usar o むずかしい. Porém, dizer que “fazer algo é difícil” não é feito da mesma maneira (mas continua sendo fácil também).

Pois bem, “difícil de ler”, “difícil de escrever”, “difícil de falar”, “difícil de explicar”, etc., todos são ditos em japonês com uma terminação colocada no verbo. Aprendemos por padrão que essa terminação é ~にくい, ficando então assim:

Ler > よみます Difícil de ler > よみにくい
Escrever > かきます Difícil de escrever > かきにくい
Falar > はなします Difícil de falar > はなしにくい

Logo, uma frase como “Esse kanji é difícil de escrever” ficaria 「この漢字は書きにくいです。」.

Mas então, se o problema se resolve assim tão facilmente, por que estou tratando dele aqui num site que se propõe a tirar dúvidas entre coisas que podem parecer a mesma? Pois bem, existe uma outra versão de ~にくい: a terminação ~づらい.

Ela é construída da mesma maneira que com ~にくい:

よみづらい (difícil de ler)
かきづらい (difícil de escrever)
はなしづらい (difícil de falar)

E, assim como com ~づらい, possui a mesma tradução. E então, tem diferença?

CLARO que tem! E é delas que gosto de falar. O ponto principal da diferença é a subjetividade da frase. A terminação ~にくい é imparcial, objetiva, física, ela diz que algo é difícil de fazer porque é difícil e pronto. Pode ter algum tipo de exigência que esteja acima da capacidade humana e por isso seja difícil de fazer.

Já a terminação ~づらい indica que algo é difícil porque a pessoa que fala isso acha difícil, subjetivamente, é uma opinião, uma maneira pessoal de encarar a situação. Pode ser que nem seja de fato difícil de fazer a coisa, mas sim trabalhoso, árduo, 大変.

Quando você usa ~づらい, em geral, você quer expressar seu parecer sobre aquilo. É exatamente por isso que tem se tornado comum usar ~づらい para falar de coisas que você acha difícil, mas usar ~にくい para falar de coisas que outras pessoas acham difícil de fazer.

Para algumas pessoas, você pode usar tanto um quanto outro e não haverá diferença. De fato, para dizer “difícil de ver”, é preferível utilizar 「みづらい」, já que 「みにくい」 é um adjetivo que significa “feio”.

Para qualquer caso, é sempre possível usar uma expressão mais longa para exprimir a mesma coisa. Para “difícil de ler”, em vez de 「よみにくい/よみづらい」, é possível usar a construção neutra 「よむ ことが むずかしい」.

Última coisa: por se tratarem de terminações gramaticais, ~にくい e ~づらい são escritos sempre em ひらがな. Porém, eles possuem 漢字 (eu mesmo já os vi em alguns lugares):

~にくい > ~難い
~づらい > ~辛い

O próprio 漢字 já ajuda a ter um melhor entendimento de cada terminação. E aí, difícil de entender?

【おかす】「犯す」「侵す」「冒す」

Veremos hoje três escritas (e usos) diferentes para o verbo おかす. Todos possuem, de certa forma, um significado negativo. Eles podem ser escritos como 「犯す」,「侵す」 ou 「冒す」. Confesso que não são verbos tão simples de usar, pois seus equivalentes em português são usados de maneira um pouco diferente, ou são expressos por verbos distintos. De qualquer maneira, vamos a cada um deles.

「犯す」: traz o significado de “transgredir regras ou normas, costumes, moral; violar”. Veja o exemplo:

法律を 犯す 者は 罰せられる。
ほうりつを おかす ものは ばっせられる。
Pessoas que violarem as leis são punidas.

Possui também o sentido de “cometer”, quando usado em “cometer um crime, um erro”, como em 罪を犯す (cometer um crime) e ミスを犯す (cometer um erro).

「侵す」:  possui o significado de “invadir, saquear (um lugar), violar (um lugar)”. Veja os exemplos:

国境を侵す (ultrapassar fronteiras nacionais)
領空を侵す (invadir uma aeronave nacional)

Pode também denotar invasão/violação de direitos, jurisdição, como em プライバシーを侵す (invadir a privacidade), 表現の自由を侵す (violar a liberdade de expressão).

「冒す」: possui o sentido de “prejudicar, causar dano”. Veja o exemplo:

彼の 体は 病に 冒されていた
かれの からだは やまいに おかされていた
O corpo dele foi acometido por uma doença.

Pode também trazer o significado de “enfrentar (perigo), arriscar, correr risco” com em 危険を冒す (correr perigo), ou リスクを冒す (correr risco).

Possui ainda o significado de “profanar”, como em キリストの教えを冒す (profanar os ensinamentos de Jesus).